Economia

21/02/2019 Feijão carioca mais que dobra de preço em João Monlevade, Itabira e Região

Seca e opção de agricultores por outros cultivos reduziram a oferta do alimento básico do brasileiro. O quilo do feijão é vendido por mais de R$ 9 em João Monlevade, Itabira e Região.

Depois de muitos meses custando entre R$ 3 e R$ 4 o quilo, o feijão carioca mais que dobrou de preço e é encontrado por até R$ 9,89 nas prateleiras dos supermercados. O motivo da alta, é que muitos produtores optaram por outros grãos, como a soja, já que o feijão, ao longo do ano passado, estava com o preço em baixa.

Clemar Moraes Gerente de empresa de Coronel Fabriciano que realiza o beneficiamento e empacotamento, de grãos — aponta também que a seca prejudicou a colheita do feijão e por isso há menos oferta.

O Estado de São Paulo há colheita de feijão duas vezes ao ano. A maior delas tem plantio em agosto, com colheita entre novembro e dezembro. “Mas foi um período de seca”, afirma.

Já a chamada safrinha tem o plantio em janeiro e fevereiro e colheita entre maio e junho. “A quantidade é bem menor e por isso, tradicionalmente, no meio do ano o feijão fica um pouco mais caro.” Ele lembra também que o feijão é cotado em real e por isso se torna menos atrativo para os produtores, que acabam apostando em soja e milho, por exemplo.

A maior alta registrada do feijão carioca foi em 2016, no início do segundo semestre, quando o quilo chegou a custar R$ 16. Clemar relembra que nesta época toda a produção estava concentrada em Goiás. Diante da supervalorização do grão, que chegou a ser transportado com escolta, muitos produtores passaram a cultivar o feijão carioca, o que provocou, desde 2017, a estabilização do preço. Com a alta oferta, os preços baixaram e no ano passado parte dos produtores mudaram o foco do cultivo. “É a lei da oferta e da procura e por não existir um preço mínimo estabelecido para o feijão essa oscilação acontece.”

Clemar conta que o frete também interfere no preço final e quanto mais longe o cultivo, mais caro fica para o consumidor. O empresário, porém, acredita que o preço do feijão deve subir mais.

Diferente de outros grãos, o feijão carioca não permite um estoque longo. “Quando tem a colheita, todo mundo quer vender rápido para não perder. O feijão perde a coloração e isso faz empacar na prateleira”, afirma Clemar. Moraes explica que a claridade também escurece o grão. “A qualidade não se perde, mas o feijão fica com a aparência mais escura e o cliente acaba não querendo.”

Sem substituição
Embora o preço do feijão esteja mais alto, muita gente não abre mão, combinando-o com o arroz. A tradição do arroz e feijão é ainda mais forte. “Tem que ter no almoço e na janta. A gente economiza em outra coisa, mas no arroz e feijão não dá.


 

© 2015 Tv Última Notícia . By Mediaplus