Cidades

30/11/2018 Hospital Margarida pode fechar se Zema não acertar dívidas com entidade

Segundo provedor, Romeu Zema afirmou que não vai pagar dívidas do governo Pimentel

O Hospital Margarida, de João Monlevade, tem a receber do governo do estado, R$4.201.188,31 milhões. Os recursos são provenientes de atrasos no pagamento da produção do hospital, através do convênio Pro-Hosp. Ou seja, o governo de Minas Gerais não pagou à casa de saúde, os serviços prestados para a população. Para se ter ideia, o governo não pagou nem o atendimento a policiais militares, entre os meses de junho e novembro de 2018, totalizando R$115.787,40.

Segundo o provedor da entidade e presidente da Associação São Vicente de Paulo (ASVP), mantenedora do hospital, José Roberto Fernandes, a falta de repasses ocorre desde 2016. “Há cerca de dois anos, o governador Fernando Pimentel (PT) não paga. O Hospital Margarida produziu, buscou empréstimo bancário para comprar medicamentos, pagar médicos e funcionários na esperança que o Governo do Estado honrasse a Constituição, mas não pagou. A situação é grave e ameaça o bom funcionamento. ”, diz José Roberto.

Ainda segundo o provedor, a recente afirmação do governador eleito, Romeu Zema (Novo) de que não vai pagar dívidas de Pimentel deixou a direção do Hospital Margarida ainda mais preocupada. Para José Roberto, a casa de saúde pode fechar as portas se isso acontecer. “Não tem como o Hospital sobreviver a esse calote. O próximo governador já deu entrevista dizendo que ele só vai pagar as dívidas de sua gestão. Isso inviabilizará a funcionalidade do hospital que está hoje com as contas em dia, porque pegou empréstimo”, afirma o provedor.

Ainda segundo José Roberto, a casa de saúde estuda meios para evitar que o fantasma do fechamento volte a assombrar o Margarida. Para ele, falta mais responsabilidade com o Hospital, que é fundamental para o salvamento de vidas e que a situação é grave e preocupante.

© 2015 Tv Última Notícia . By Mediaplus